18% da Arrecadação para a Educação

Iniciou nessa semana no congresso uma discussão sobre a vinculação de gastos da Educação com a evolução da arrecadação do governos federal. A ideia é ter limites para esses gastos. O Governo Federal deve reservar 18% da arrecadação de 2016 para a Educação. Orçamento não pode ser inferior ao orçamento de 2015 com a correção do crescimento do PIB. Redução do PIB não conta. Esse valor, se comparado com todos os outros valores do orçamento, é uma enormidade. Nos Estados e nos Municípios o valor chega a 25% da arrecadação. Então qual é a razão da Educação no Brasil ser tão ruim? Dinheiro parece não ser o problema. Em 1950, Educação representava apenas 1,4% do PIB, hoje representa 6,6%. A educação fundamental foi universalizada na década de 90 (um século e meio depois dos Estados Unidos e quase meio século depois da Coreia do Sul). No meu entendimento vincular despesas não é uma boa ideia, pois se cria a necessidade do gasto. Gastamos mais que Estados Unidos e Coreia, mas não estamos nem perto desses países. A cada três anos, estudantes de vários países fazem o exame internacional Pisa (sigla inglesa para Programa Internacional de Avaliação de Alunos), cujo objetivo é avaliar sistemas educacionais no mundo por meio de uma série de testes em assuntos como leitura, matemática e ciências. O Brasil ocupa a posição 60 de 73 países (leitura de 2015). Os primeiros colocados são os países da Ásia, como: China, Cingapura, Hong Kong; seguidos de perto pelos países Escandinavos. É evidente que o problema da Educação não é financeiro, é estrutural. Para onde vai o dinheiro? Segundo a Veja existem 5 profissionais de backoffice a mais para cada professor, se comparado com os números Chineses. Ou seja, para cada professor existe 5 pessoas para auxiliá-lo na retaguarda. Será que precisa? No artigo da VEJA existem inúmeras outras ideias para serem testadas no Brasil. Veja o site: http://veja.abril.com.br/educacao/o-que-o-brasil-pode-copiar-da-educacao-chinesa/
Colocar limites para os gastos com Educação, sem atacar a cerne do problema, pode resultar em um problema maior, pois o número de 5 pessoas para cada professor pode aumentar. Pois possivelmente se reduzirá o número de professores.